O tratamento de queratina apresentou-se como uma autêntica revolução no que respeita aos cuidados capilares, visto que permitiu realizar um desejo altamente ansiado por muitas mulheres (especialmente as que exibem cabelos brilhantes): exibir um cabelo volumoso, sem encrespamento e manuseável.  Mas a queratina não é a única substância “mágica” para conseguir um cabelo perfeito; existem outras, como o óleo de argão, que também demonstraram a sua eficácia, fundamentalmente na reparação dos cabelos mais frágeis ou com problemas.

 O óleo de argão não é uma substância recente, tendo sido descoberto há séculos pelas mulheres berberes de Marrocos, que o tornaram no melhor aliado dos seus cabelos cuidados e num artífice do seu aspeto sedoso característico. É extraído do argão (ou arganier), uma planta típica do sul de Marrocos. A sua composição baseia-se em ácidos gordos essenciais (até 80%), ácido linoleico (50%) e grandes quantidades de tocoferóis (vitamina E). Tudo isto torna-o num potente agente renovador, tanto para o cabelo como para a pele.


Do ponto de vista cosmético, a grande base do óleo de argão é o seu extraordinário poder hidratante, capaz de suavizar instantaneamente os cabelos secos, encrespados ou muito frisados. Atua diretamente sobre a cutícula, “domando-a” e fazendo com que o pentear se torne mais fácil.  Além disso, o óleo de argão dá textura e brilho a todos os tipos de cabelo, daí que cada vez sejam mais as linhas de produtos capilares que o incluem entre os seus componentes.

É preciso ter em conta que tanto a queratina como o óleo de argão são substâncias que têm muitos mais benefícios para o cabelo além de alisar. Trata-se de tratamentos renovadores e reparadores, que devolvem o brilho e a vitalidade aos cabelos mais deteriorados; fazem com que a cutícula volte a ter uma aparência saudável e natural (ainda que tenha sido “castigada” por tintas, ferros, permanentes e outros procedimentos químicos) e, especialmente, permitem exibir um cabelo com volume (o ideal), não encrespado e fácil de manusear.

tratamento de queratina deve ser aplicado sempre em centros com todas as garantias, como na Svenson, onde a queratina utilizada é pura e enriquecida com células estaminais vegetais.  Aplicada sobre a cutícula, a queratina penetra em profundidade na camada mais externa do cabelo graças à ação do calor das pranchas alisadoras que são passadas madeixa a madeixa. Deve permanecer no cabelo durante aproximadamente 72 horas, para completar desta forma o seu trabalho de “reconstrução”.

Quanto ao óleo de argão, o ideal é aplicá-lo como máscara e deixá-lo atuar sobre o cabelo entre 15 minutos e meia hora, dependendo do estado do cabelo. Aconselha-se a sua utilização antes de lavar o cabelo, dado que devido à sua textura é muito difícil de eliminar e, caso não se passe bem por água, pode dar ao cabelo um aspeto excessivamente oleoso.

Marcado com →  
Compartilhado →