O cabelo também envelhece e esta é uma realidade com a qual a maioria das pessoas se depara ao descobrir os primeiros cabelos brancos. No entanto, as manifestações do processo do envelhecimento capilar vão muito mais além da perda da pigmentação do cabelo e, para além disso, deve ter-se em consideração a intervenção de outros fatores como, por exemplo, a estreita relação que existe em as hormonas e a condição do cabelo e, também, a influência que podem ter determinadas alterações orgânicas e anímicas que podem fazer com que o cabelo na menopausa apresente características diferentes.

Com o passar do tempo (principalmente a partir da década dos 40), da mesma forma que com a pele, o organismo sofre um desaceleramento do metabolismo que por sua vez origina uma diminuição na produção de sebo e um abrandamento da microcirculação sanguínea e dos intercâmbios celulares. Em relação ao cabelo, essas alterações podem resultar numa alteração do ciclo natural do crescimento do cabelo. Por sua vez, as alterações hormonais características da menopausa (fundamentalmente uma diminuição considerável do nível de estrogénio) também se refletem no estado do cabelo, diminuindo a densidade capilar, o que resulta num cabelo com pouco volume. Para além disso, todas estas circunstâncias afetam o couro cabeludo, que se encontra mais debilitado e desidratado, que afeta a raiz do cabelo e pode favorecer a queda, daí que o aparecimento da alopecia feminina nesta fase da vida seja mais frequente do que se possa imaginar.


Quais as estratégias que podem ser utilizadas para prevenir ou minimizar os efeitos produzidos pelo envelhecimento a nível capilar? Principalmente, deverá ter hábitos de vida saudáveis, ter uma alimentação cuidada (por exemplo, a perda de aminoácidos essenciais é  típica desta idade e afeta significativamente a estrutura capilar), fazer exercício físico regular (promove a oxigenação do organismo) e evitar substâncias tóxicas como o álcool e o tabaco. Do ponto de vista cosmético, uma boa estratégia é recorrer a produtos revitalizantes, ricos em vitaminas e aminoácidos (as ampolas resultam muito bem neste sentido); evitar técnicas e tratamentos que danifiquem o cabelo e utilizar produtos especificamente formulados para cabelos finos, frágeis e desvitalizados.

Quanto aos cabelos brancos, sintoma inequívoco do envelhecimento capilar, deve ter em consideração várias questões para ser capaz de lidar com o problema da forma mais adequada, sobretudo no que se refere aos falsos mitos que andam à volta dos cabelos brancos. Por exemplo, é absolutamente falso que ao arrancar um cabelo branco nasçam de imediato muitos mais: os cabelos brancos vão nascendo aos poucos, à medida que diminui a produção de melanina e o cabelo perde a sua pigmentação.   Quanto aos cuidados, o cabelo branco necessita do mesmo tipo de cuidados diários que o cabelo pigmentado.

Compartilhado →