A maior disponibilidade de tempo faz com que muitas pessoas queiram realizar um implante de cabelo no verão. Embora o microenxerto seja uma cirurgia ambulatória (ou seja, que não requer hospitalização) é conveniente planificar a data da intervenção tendo em conta o calendário laboral do paciente ou os seus compromissos académicos. De facto, muitos estudantes – especialmente os de licenciaturas longas e sujeitos a exames de ordens profissionais e semelhantes – consideram que o stress das épocas de exames condiciona a sua saúde capilar e aproveitam o período de férias para procurar uma solução permanente para o seu problema de perda de cabelo. Contrariamente ao que se possa pensar, o microenxerto não é uma opção associada apenas a uma idade mais madura porque existe um aumento da procura, nos últimos tempos, de implante capilar para jovens. De acordo com os dados da Svenson, o número destas intervenções aumentou em mais de 45% no último ano. Entre estes, 35% foram realizados em pessoas entre 26-35 anos, enquanto 27% dos que se submeteram a esta cirurgia estavam num intervalo de idade entre 36-45 anos. Portanto, a maior parte dos pacientes que recorrem aos implantes de cabelo têm menos de 50 anos.

Outro aspeto a ter em conta é que o microenxerto não se limita apenas à repovoação na zona da cabeça, pois também tem aumentado o número de microenxertos noutras áreas corporais, como as sobrancelhas ou a barba (esta última muito associada à tendência hipster).

É a mesma técnica que se usa na cabeça e, tal como nesta zona do corpo, o resultado obtido é bastante natural, o que a converte numa solução muito eficaz.

Tendo em conta tudo isto, as férias apresentam-se como um excelente momento para planificar esta intervenção e, de facto, todas as clínicas de implantes notam um aumento da procura de microenxertos nesta época do ano. É um tipo de cirurgia que se realiza de forma ambulatória (a sua duração oscila entre 3 e 5 horas, dependendo de cada caso concreto e sobretudo da zona a tratar) e é praticamente indolor porque se realiza com anestesia local, e assim o paciente pode fazer a sua vida normal tanto antes como depois do implante capilar.

Em relação ao pós-operatório desta intervenção, é preciso ter em conta uma série de recomendações gerais, como, por exemplo, lavar a cabeça sem esfregar (não se pode utilizar champô nas 48 horas após a intervenção), deixando secar o cabelo ao ar, sem usar toalha ou secador, e pentear-se apenas com um pente de dentes separados.

Há ainda outro tipo de orientações que são especialmente importantes para planificar um microenxerto no verão. Neste sentido, um dos fatores a ter em conta é o aconselhamento de não fazer desporto (de contacto, ginásio, running, etc.) e evitar as atividades na água (piscina, mar) durante o mês seguinte à intervenção. Também é muito importante evitar expor diretamente a zona da intervenção à radiação solar, protegendo-a com um chapéu ou lenço. Por isso, é necessário falar com um cirurgião especializado em implantes capilares sobre os planos que tiver para o verão, para que seja este profissional a determinar a conveniência ou não de determinadas atividades e os prazos para que as mesmas se possam realizar, em função da evolução de cada paciente.

Sobretudo, é preciso ter em conta que o crescimento de um novo cabelo começa a ser notado 3 meses depois da operação, conforme o ritmo do crescimento natural do cabelo. Por isso, é necessário saber como vai encaixar esse prazo com o período de férias porque o aspeto final de um implante capilar vai sendo revelado de forma progressiva e é mais discreto quando se veem os resultados pouco a pouco. Assim, como nos estudos, deve ser feito um «trabalho de casa» com tempo e planificar tudo com antecedência para obter os melhores resultados.

Marcado com →  
Compartilhado →