Cabelo-mulher

A maioria das mulheres nota que as características do seu cabelo
variam em função do dia do ciclo menstrual em que se encontram. E
têm razão: os níveis das hormonas flutuam ao longo de todo o
mês, alterando, entre outros, o estado da pele e do cabelo. Assim,
por exemplo, mesmo antes da ovulação, o cabelo mostra a sua “melhor
cara”: volume, brilho, leveza… devido ao aumento de produção do
nível das hormonas femininas, isto é, os estrogénios.
No
entanto, com a menstruação, estes níveis sofrem uma queda
acentuada, o que, juntamente com outras situações (falta de ferro,
por exemplo), pode fazer com que o cabelo se torne mais “rebelde”,
que seja menos moldável e que tenha tendência para mostrar um
aspeto emaranhado.

As hormonas também estão envolvidas no aparecimento da alopecia
feminina
. Sabe-se que a partir dos 40-50 anos, o processo natural
de envelhecimento manifesta-se através de uma série de mudanças,
tanto a nível físico (na visão, nos dentes, no cabelo e na pele),
como também a nível anímico e psicológico e a maior parte são
consequências do decréscimo progressivo do nível de estrogénio.
Com a chegada da menopausa, o nível de estrogénio sofre uma brusca
queda, o que por sua vez pode levar a uma perda de brilho e de força
no cabelo, favorecendo a queda de cabelo nas mulheres.


No entanto, não são apenas as hormonas as únicas causas da
queda de cabelo nas mulheres
: estima-se que uma em cada três
mulheres irá sofrer de queda de cabelo excessiva ao longo da sua
vida, sendo a causa mais comum a alopecia androgenética, que por sua
vez está relacionada com outro tipo de hormonas (neste caso,
masculinas): os androgénios, os quais, em comparação com o que
acontece com os estrogénios, tendem a aumentar depois da menopausa.
Ao contrário do que ocorre nos homens, neste tipo de alopecia
feminina a linha de implantação do cabelo frontal permanece intacta
e o que se produz é uma redução da espessura do cabelo em todo o
couro cabeludo.

Entre as causas da queda de cabelo nas
mulheres
 encontra-se também o mau funcionamento de outra
hormona, a tiroideia. As suas duas principais alterações
(hipotiroidismo e hipertiroidismo) afetam o estado do cabelo, fazendo
com que se torne mais fino e favorecendo a sua queda. Neste sentido,
também atuam os efeitos de alguns tratamentos
hormonais
 como, por exemplo, a pílula.

Felizmente, existem tratamentos para a alopecia feminina que
demonstraram ser eficazes
, mas para que funcionem é necessário
conhecer a causa do problema. Neste sentido, as opiniões
da Svenson
 contribuem para mostrar a
importância de se contar com a prevenção e o diagnóstico por
parte de profissionais, claro, sobretudo aquando da orientação dos
tratamentos para a alopecia feminina mais adequados a cada caso.

FOTO:
mikebaird

Marcado com →  

Cabelo-mulherA maioria das mulheres nota que as
características do seu cabelo vão variando em função do dia do ciclo menstrual
em que se encontrem. E têm razão:  os níveis das hormonas vão flutuando ao longo de todo o mês,
alterando, entre outros, o estado da pele e do cabelo.
Assim, por exemplo, mesmo antes da ovulação, o
cabelo mostra a «sua melhor cara»: volume, brilho, desenvoltura… isto porque
se produz um aumento importante do nível das hormonas femininas, isto é, do
estrogénio
. No entanto, com a menstruação, estes níveis caem a
pico o que, juntamente com outras situações (falta de ferro, por exemplo), pode
fazer com que o cabelo se torne mais débil, seja menos moldável e tenha tendência a mostrar um aspeto emaranhado.

Continue lendo →

Compartilhado →